Estagnada

11 março 2014

Foto: Tumblr
Você é como uma droga para mim. Quanto mais eu tenho, mais eu quero. Quanto mais longe, maior a minha abstinência do seu sorriso. Eu não sei como parar, e olha que já tentei. Falhei. Repetidas vezes, eu falhei. E sabe qual é a –pior- verdade? Eu não quero me curar, nem faço questão.

Procuro em outro o que só você pode me dar. E adivinha? Eles não são capazes de me completar com um olhar, com um sorriso, ou com uma simples malícia. Nada é igual. Ou talvez até seja, mas prefiro acreditar que você seja único. Pedem-me para seguir em frente, mas você sabe, o chão não parece seguro quando não seguro a sua mão. 

Perdi as contas de quantas vezes te mandei embora. Mas em todas elas eu sabia que você voltaria. “Primeiro, você sente muito. Depois, você sente falta. Quando percebe, você sente mais nada.”, acho que nunca cheguei nesse terceiro estágio. O segundo sempre me prendeu. Sentir falta. Eu sinto falta até da nossa primeira troca de olhar. Sinto falta de como éramos antes de tudo começar a desmoronar. Sinto falta de quando você era meu. Por favor, não minta. Você sabe que já foi meu. 

Mas por que insistir em algo que não dá, e nunca dará certo? Por que não conhecer alguém? Começar do zero? Acontece que algumas pessoas têm o dom de marcar a vida de outra de uma forma única e especial. Dizem que figurinha repetida não completa álbum, mas quantos álbuns você compraria para colecionar várias dessa mesma figurinha?

Nenhum comentário:

Postar um comentário