Black Friday: Fur

10 novembro 2014

Foto: Danielle DeHardt
Homo sapiens e neanderthalensis, você pode não acreditar, mas é deles que surgiu a inspiração do fur. A ideia de que já tínhamos "usado" a tal peça foi motivo para que a moda incorporasse o casaco de pele ao guarda-roupa. Algo me diz que esse é só mais um dos argumentos para contestar instituições como PETA, que são contra o uso de pele. Enfim, a verdade, segundo historiadores, é que o fur tem raízes africanas. O uso, que não tem data, se dava pela cultura de algumas tribos, na qual a pele poderia ter um significado até espiritual. Bem mais convincente. Em seguida, o casaco foi copiado por canadenses e durantes vários anos sofreu com declínios e ascensões - sendo considerado até eterno símbolo dos anos 20. 

O fur tinha um motivo para ser usado em países como o Canadá: o frio. E, apesar de ter sido muito assemelhado ao luxo, o casaco foi e é uma peça duvidosa, principalmente, para o público feminino. Em 1960, as mulheres desejavam ter pelo menos uma peça, porém não consideravam um item "na moda", por isso, preferiam comprar os de segunda linha, quem sabe até artificiais. 

Foto: Kinga Winiarska
Quem adaptou o fur à moda foram os seguintes estilistas: Balenciaga, Chanel e Christian Dior. Na época, em 1950, o casaco ainda era novidade, porém ganhava ali seu primeiro destaque, que seria revivido hoje. Com as peles falsas, o fur ficou mais acessível e, aos poucos, voltou às ruas. 

Diferentemente de outras peças, o casaco pode ter seu custo aumentado em 500% do dia para a noite, de temporada para temporada; é isso o que diz Yvette Mahé, professora da Universidade de Alberta, no Canadá. Mas os anos 2000 melhoraram o mercado do casaco de pele. Segundo os dados divulgados pela Kastorian Fur, indústria canadense que confecciona a peça, a produção gerou, em 2004, aproximadamente $600 milhões. 

Foto: Zuzanna Wlodarz
E o Brasil, como é que fica?
Acredito que o nosso país mantém o uso de peles e, principalmente, das falsas. Desde pequena, vejo pessoas usando seja só na gola de uma jaqueta jeans ou em um colete completo. No inverno de 2014, vi algumas pessoas comprando a tal peça e acredito que entre 2015 e 2016 esse mercado crescerá. Se engana quem pensa que o uso é por luxo, riqueza ou ostentação, creio que o motivo de comprar o fur será psicológico, uma tentativa de aquecimento para o inverno. Aí podemos voltar na questão do homo sapiens, quem sabe hoje estamos querendo mesmo copiá-los. 

Black Friday
Preste atenção, algumas lojas gringas, que estão em alta produção por causa do inverno, tendem a ter uma queda bem significativa de preço. Alguns casacos falsos poderão custar até R$50. Evitem AliExpress, fiz uma pesquisa meio hacker -risos- e descobri que essa peça é arrisacada de ser comprada no site, sabemos que lá é super barato, mas a chance de você ficar com um fur mal feito e curto é bem grande. Essa é a hora de você fazer bom uso daquela lojinha gringa que a Bruna Vieira, do Depois dos Quinze, recomendou!

Quer saber melhor sobre a história do Fur? Clique aqui

PS: a partir de hoje, farei dez posts recomendando roupas, acessórios e, quem sabe, até sapatos para serem comprados durante a black friday, que será no dia 28 de novembro. Ah, sobre este post gostaria de deixar claro que: acho extremamente desnecessário o uso de pele verdadeira quando se tem uma réplica que não agride um animal - minha opinião, compre o que você quiser, a consciência é sua e o dinheiro idem. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário