How do you wanna be remembered?

05 novembro 2014

Foto: Tracy Allen
Recentemente achei algumas anotações inacabadas, o que me faz lembrar da dificuldade que tenho de finalizar alguns projetos. Comecei a escrever há mais ou menos três meses. O terceiro parágrafo de um dos textos tem um pouco do meu melhor drama. "Lá fora a chuva cai sem intervalo, poderia ser o fim do mundo. Acho que até tudo seria mais fácil se isso fosse verdade.” E se fosse verdade, se fosse realmente o fim, o que eu teria feito?

Nunca fui fã das mudanças e, às vezes, aquele esquema de "o mundo dá voltas" me assusta um pouco. Mas é a mais pura verdade, meu mundo simplesmente virou de cabeça para baixo. E, finalmente, acho que me encontrei na melhor visão que poderia ter.

Sempre tive medo de perder alguém, ajo como se mais nada importasse, é como se na partida esse alguém levasse um pouquinho de mim. Pensando por esse lado, hoje, fico feliz em dar esse meu pedacinho para cada um que partiu. Fico feliz em ter contribuído de alguma forma, nem que seja em apenas um pequeno sorriso.

Não sei em qual momento eu finalmente mudei, talvez não tenha mudado por completo, mas sinto algo diferente. Inúmeras vezes escutei a frase "A vida é muito curta" ou "A vida é muito frágil" e, realmente, a vida é tudo isso e, parar piorar, ela passa muito rápido. Ainda sou dotada de muita insegurança e possivelmente serei assim é até o fim dos tempos. Mas de uma coisa eu tenho certeza, quero viver cada dia como se não houvesse amanhã. Isso, assim mesmo, clichê. Afinal, de que forma você quer ser lembrado? Penso em algum dia fazer algum feito importante, que esteja nos livros de história, caso não consiga, me contento com as lembranças de ser alguém muito feliz, pelo menos na memória daqueles que me conheceram, até mesmo aqueles que partiram.

Relendo novamente aquela fatídica frase, que encontrei nas minhas anotações, paro para repensar. E se fosse verdade? Naquele momento seria mais fácil, mas eu não estaria satisfeita como o imaginado. O que eu teria feito? Quem eu teria marcado? Como eu seria lembrada? Só para finalizar de uma forma um pouco mais clichê como a maioria dos meus, dos seus, dos nossos dramas: o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã. Aproveite essa manhã, porque algum dia ela pode não aparecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário